APRESENTAÇÃO


O conjunto de trabalhos que o amigo leitor encontrará adiante foi produzido ao longo de alguns anos. Não posso aqui precisar quantos, talvez uns vinte. A grande maioria deles foi publicada no jornal A TRIBUNA SANJOANENSE, o semanário mais antigo de São João del-Rei, minha terra natal. Obviamente há uma cronologia de publicação associada aos acontecimentos que inspiraram as respectivas produções. Depois de muito pensar, se deveria mencionar datas, resolvi aboli-las, pois achei que correria o risco de tornar seu passeio um tanto dirigido e até cansativo. Posso imaginar alguém lendo algo retratando fato acontecido há anos! Talvez se sinta desmotivado. Então, no intuito de instigá-lo, apresento uma miscelânea de trabalhos recentes e antigos, a fim de lhe subtrair, de propósito, qualquer direcionamento e deixá-lo livre para pensar, buscando no tempo, por si, tal associação. Acredito ainda que dessa forma esteja incitando sua curiosidade à medida que avance páginas adentro. Sua leitura poderá inclusive ter início pelo fim ou pelo meio, que não haverá prejuízo algum para a percepção de que as coisas no Brasil nunca mudam. Ficará fácil constatar que a vontade política é trabalhada para a perpetuação da incompetência administrativa, obviamente frutífera para algumas minorias. Penso que, se me dispus a estas publicações, deva estar antes de tudo, suscetível a criticas e, portanto, nada melhor que deixá-lo, valendo-se unicamente das informações contidas no texto, localizar-se na história. Caso não lhe seja possível, temo que o trabalho perca qualidade perante seu julgamento pessoal. Por conseguinte, acredito que isso não acontecerá; a não ser que não tenha, a seu tempo, tomado conhecimento dos fatos aqui retratados. Procurei selecionar de tudo um pouco; certamente sempre críticas, porém algumas muito sérias carregadas de um claro amargor. Outras, mais suaves, pândegas e até envoltas num humor sarcástico. Noutras retrato problemas da minha São João del-Rei. Até cartas para congressistas em Brasília há. E em alguns pontos, para abusar da sua paciência, introduzi coisas muito particulares. Críticas à parte, nessas, apenas falo de mim, afinal, apesar de amigos, talvez nunca tenhamos trocado impressões sobre coisas tão pessoais. . .
Aqueles que me conhecem há tempos, sabem que sou um obstinado por política, apesar de jamais tê-la exercido diretamente. Motivos houve de sobra e numa oportunidade poderei explaná-los. Todavia, do fundo do coração, afirmo que tal paixão tem como motor um doloroso inconformismo por ver o Brasil tão esplêndido e tão vilipendiado; vítima inconteste dessa cultura avassaladora de demasiada tolerância à antiética imoral na administração pública. Comprovadamente este é o pior dos tsunames com potencial para ter retardado nosso progresso mais de três séculos e grande responsável pela perpetuação da pobreza de metade da nossa população, pelo analfabetismo total e funcional, pela violência social e pelo abismo intransponível que aliena gigantesco contingente, maior que um quinto da população do continente. Diante do inaceitável absurdo, impossível me conformar em silencio diante dos atos e fatos que vão vergonhosamente enxovalhando nossa história e nos deixando como um gigante deitado sobre o escravismo que a Lei Áurea não foi capaz de abolir. O título? Esse, talvez, seja o mais difícil explicar. Gritos sem ecos representam uma espécie de pedido de socorro do náufrago, que sabe que de nada adiantará espernear, pois não há interlocutores, não há socorro, não há saída, não há conscientização; mas, assim mesmo, grita-se.

Será um prazer receber sua visita e ler suas opiniões, elogios ou críticas.

Forte abraço!



quinta-feira, 7 de abril de 2011

IBAMA E OBAMA


           
            Coincidências são fenômenos interessantes, muitas vezes aparentemente inexplicáveis, mas que no mundo das forças metafísicas, certamente haja explicações. Semana passada, numa noite de sono mal dormida, súbita idéia irrompeu-me: a incrível coincidência entre os nomes do nosso título. Sonoridades semelhantes e ambos com grandes desafios pela frente. E que desafios!...
            Incrível que a superstição sempre preconizou que nomes carregam cargas positivas ou negativas. É o que chamam de carma. E não é que estou quase acreditando nisso em vista da semelhança dos destinos desses dois nobres cavalheiros. Ambos vieram ao mundo para sofrer. IBAMA perdeu sua ministra, que não apitava mais nada, Marina Silva. OBAMA também perdeu sua melhor amiga do Partido Democrata Hillary Clinton, depois da escovada que deu no terno dela.  Mesmo que a convide para vice, a terá sempre como pedra no sapato, pois não esta acostuma a levar desaforo prá casa. Agora divorciados o que lhes reservará o futuro sem o apoio feminino?
            Depois da entrada do Ministro Carlos Minc, IBAMA está meio cabisbaixo, pois andaram dizendo que o novo ministro do meio ambiente é mais verde que ele, porque além de pertencer ao partido verde ainda, tem sobrenome de baleia. E OBAMA, já vem enfrentando problemas com os negros americanos que agora querem disputar com ele quem é mais preto. A secretária de estado americano Condolissa Rice já se declarou mais preta, porque é oriunda de pais negros, enquanto que ele é nascido de pai preto e mãe branca. Apesar de achar uma bobagem essa história de cor da pele; ficou consolado, quando soube que seu amigo IBAMA esta com o mesmo problema no Brasil.
            IBAMA vem tendo sérios problemas com os índios que agora cismaram de enfiar o facão em todo mundo que venha com papo de construir usina no meio da mata que é deles desde os tempos que Portugal ainda não tinha metido o bedelho por aqui. OBAMA está seriamente preocupado com os índios republicanos que querem cortar seu pescoço para mandar nos Estados Unidos mais oito anos e continuar na tentativa de conquistar o petróleo do Iraque e ficar por aí testando tecnologia militar em todo mundo que ouse desafiá-los. Lá na floresta amazônica, que hoje tem mais gringo do que a pobre lei permiti, IBAMA tem que pedir licença para entrar no próprio quintal e teme que qualquer dia declarem a independência do Brazil com “z” do Brasil com “s”. OBAMA, quando na presidência terá que agüentar os muchachos latinos que votaram nele, senão será taxado de presidente preto com cara de branco mentiroso.
            Uma das maiores preocupações de OBAMA, caso eleja-se presidente, será com o arc - inimigo da águia americana Bin Laden, enquanto que IBAMA terá que agüentar Bin Lula, que só se lembra de meio ambiente, quando o ar condicionado do palácio enguiça e agora deu para ficar de espingarda na mão caçando tucanos paulistas que sobrevoem sua boutique. Ninguém pode entender porque Bin Lula tem tanta antipatia de tucano, se a única coisa que têm demais é bico grande. Uma vez ele confessou para um assessor que quem tem bico grande pode ter aquilo grande também e ele muito teme tudo que ocupa muito espaço.
OBAMA ficará de olho vivo nos executivos pilantras dos bancos americanos que resolveram vender imóvel a preço de banana, até para quem não tinha dinheiro para pagar, enquanto que seu amigo IBAMA continuará sua cruzada vã contabilizando a morte de centenas de rios pela formação de bancos de areia onde antes havia abundância de água.  Enquanto OBAMA terá que se preocupar em capturar os grandes traficantes de cocaína que convergem para os Estados Unidos; IBAMA ficará por aqui tentando capturar traficantes de palmito e de passarinho, desempregados e miseráveis. Os de madeira da Amazônia ele até tenta e quase consegue. Os únicos traficantes que IBAMA nunca tentou pegar são aqueles traficantes do bicho influência.
OBAMA, caso siga a tradição americana de dar continuidade às políticas iniciadas pelo seu antecessor, dará prosseguimento à instalação de novas bases americanas na Europa; enquanto que IBAMA também continuará tentando desenguiçar a parafernália do “PROJETO SIVAM” aquele elefante branco que o presidente FHC disse que resolveria o problema do saque na Amazônia e gastou dois bilhões de dólares do nosso bolso vazio a toa.
Mas, se coincidências fazem parte da vida da dupla de heróis, verifiquemos que divergências também podem ser enumeradas: OBAMA, na condição de homem milionário, certamente cria em suas fazendas cavalos de alta linhagem, enquanto que seu amigo IBAMA cria vaca, galo, porco e algumas galinhas para oferecer às suçuaranas que se aventurem pelos quintais de Brasília à procura de carne fresca. OBAMA é um cara novo, rico, boa pinta, fala bem, estudou em duas das melhores universidades americanas e IBAMA somente nesse ponto o inveja, pois não tem nem o segundo grau completo, é pobre, velho e nunca conseguiu fazer nada pela preservação da natureza e sua imagem esta sempre em baixa. OBAMA, quando for presidente dos Estados Unidos, voará pelo mundo afora no “air force one ”de última geração, com telefone vermelho debaixo do braço, whisky Jack Daniels no frigobar e um monte de segurança para lhe guardar. IBAMA, coitadinho, só anda de camionete velha, sem ar condicionado, sem gasolina, pneus carecas e ainda por cima, tudo que guarda os mãos leves vão logo metendo a mão. Como se tudo isso não bastasse para atazanar a vida de IBAMA, Bin Lula mandou que ele guardasse a Dilma, sua onça de estimação, que anda sendo muito perseguida por aí. Enfim, é assim mesmo, quem mandou IBAMA nascer abaixo do equador nesse calorão todo?



/./././././././././