APRESENTAÇÃO


O conjunto de trabalhos que o amigo leitor encontrará adiante foi produzido ao longo de alguns anos. Não posso aqui precisar quantos, talvez uns vinte. A grande maioria deles foi publicada no jornal A TRIBUNA SANJOANENSE, o semanário mais antigo de São João del-Rei, minha terra natal. Obviamente há uma cronologia de publicação associada aos acontecimentos que inspiraram as respectivas produções. Depois de muito pensar, se deveria mencionar datas, resolvi aboli-las, pois achei que correria o risco de tornar seu passeio um tanto dirigido e até cansativo. Posso imaginar alguém lendo algo retratando fato acontecido há anos! Talvez se sinta desmotivado. Então, no intuito de instigá-lo, apresento uma miscelânea de trabalhos recentes e antigos, a fim de lhe subtrair, de propósito, qualquer direcionamento e deixá-lo livre para pensar, buscando no tempo, por si, tal associação. Acredito ainda que dessa forma esteja incitando sua curiosidade à medida que avance páginas adentro. Sua leitura poderá inclusive ter início pelo fim ou pelo meio, que não haverá prejuízo algum para a percepção de que as coisas no Brasil nunca mudam. Ficará fácil constatar que a vontade política é trabalhada para a perpetuação da incompetência administrativa, obviamente frutífera para algumas minorias. Penso que, se me dispus a estas publicações, deva estar antes de tudo, suscetível a criticas e, portanto, nada melhor que deixá-lo, valendo-se unicamente das informações contidas no texto, localizar-se na história. Caso não lhe seja possível, temo que o trabalho perca qualidade perante seu julgamento pessoal. Por conseguinte, acredito que isso não acontecerá; a não ser que não tenha, a seu tempo, tomado conhecimento dos fatos aqui retratados. Procurei selecionar de tudo um pouco; certamente sempre críticas, porém algumas muito sérias carregadas de um claro amargor. Outras, mais suaves, pândegas e até envoltas num humor sarcástico. Noutras retrato problemas da minha São João del-Rei. Até cartas para congressistas em Brasília há. E em alguns pontos, para abusar da sua paciência, introduzi coisas muito particulares. Críticas à parte, nessas, apenas falo de mim, afinal, apesar de amigos, talvez nunca tenhamos trocado impressões sobre coisas tão pessoais. . .
Aqueles que me conhecem há tempos, sabem que sou um obstinado por política, apesar de jamais tê-la exercido diretamente. Motivos houve de sobra e numa oportunidade poderei explaná-los. Todavia, do fundo do coração, afirmo que tal paixão tem como motor um doloroso inconformismo por ver o Brasil tão esplêndido e tão vilipendiado; vítima inconteste dessa cultura avassaladora de demasiada tolerância à antiética imoral na administração pública. Comprovadamente este é o pior dos tsunames com potencial para ter retardado nosso progresso mais de três séculos e grande responsável pela perpetuação da pobreza de metade da nossa população, pelo analfabetismo total e funcional, pela violência social e pelo abismo intransponível que aliena gigantesco contingente, maior que um quinto da população do continente. Diante do inaceitável absurdo, impossível me conformar em silencio diante dos atos e fatos que vão vergonhosamente enxovalhando nossa história e nos deixando como um gigante deitado sobre o escravismo que a Lei Áurea não foi capaz de abolir. O título? Esse, talvez, seja o mais difícil explicar. Gritos sem ecos representam uma espécie de pedido de socorro do náufrago, que sabe que de nada adiantará espernear, pois não há interlocutores, não há socorro, não há saída, não há conscientização; mas, assim mesmo, grita-se.

Será um prazer receber sua visita e ler suas opiniões, elogios ou críticas.

Forte abraço!



segunda-feira, 22 de abril de 2013

QUERO A PENA DE MORTE NO BRASIL. E VOCE?

                      
                                    QUERO A PENA DE MORTE NO BRASIL. E VOCE?

Ontem, 26-04-2013, a polícia paulista prendeu o último dos 4 incendiários que fizeram uma fogueira da dentista viva. Fez a sua parte e mostrou eficiência!
A cena é sempre a mesma. Um assassino cruel, que ao ser preso deve receber bom tratamento, tem o direito de esconder a cara, não pode apanhar na cadeia, nem ser torturado. Enfim, deve ser tratado com humanidade.
Assim funcionam as coisas no Estado de Direito. Condenação ou absolvição baseada em defesa plena e julgamento justo.
Agora as famílias dos bandidos vão constituir advogados que esmiuçarão o código penal de cabo a rabo, a fim de encontrar brechas na lei que abrandem ao máximo o castigo que merecem.
Serão julgados e, se condenados, com bom comportamento, ficarão vendo o sol nascer quadrado e aproveitando o tempo para se aperfeiçoarem ainda mais na arte da covardia e dá compulsão assassina só 1/6 do tempo da condenação.
Quanto à família da vítima, a nossa segurança e das nossas famílias ninguém pode garantir nada. Apenas o pavor vai tomando conta da sociedade estarrecida diante da crueldade de jovens classes média, que nem conhecem direito a vida e não têm qualquer justificativa plausível para tamanha revolta e frieza.
Sempre fui contra a pena de morte num pais injusto como o Brasil, que tradicionalmente tolera um abismo social entre as classes sociais e onde 90% do presos são pobres, negros e incultos.
Mas diante da situação crescente de despreocupação dos criminosos, quanto à excessiva clemência e brandura da lei brasileira, acho que já é passada a hora dos nossos congressistas pararem de perder tempo com tanta contenda política inútil e enriquecerem nosso código penal com a possibilidade da condenação à pena de morte para casos como o que estamos assistindo agora: extrema crueldade, por motivo torpe, praticada por indivíduos que, nem Deus, nem a sociedade podem ser culpados pelo seu desequilíbrio mental e personalidade doente.
Do contrário, a única saída será o retrocesso ao barbarismo, quando a justiça era feita com as próprias mãos.

O BOI BRASIL SÓ ANDA À BASE DE CHUTE NO TRASEIRO

                            O BOI BRASIL SÓ ANDA À BASE DE CHUTE NO TRASEIRO!

Foi naqueles tempos de antanho, quando se amarrava cachorro com lingüiça; toda a mercadoria pesada era transportada na tração animal e carros de boi no seu rolar modorrento venciam subidas e descidas de caminhos tortuosos, estreitos barrentos. Som lamurioso rompendo o silêncio das grotas e olhos atentos vindo correndo pairar às janelas e soleiras das vilas beira estrada, para ver a procissão cantante puxada por bois carreiros de olhares perdidos; passo no compasso do guizo e do grito do boiadeiro, que energicamente exigia mais força e atenção à base do chucho nos traseiros, ora na dupla da frente, ora nas duplas de trás, ora no puxão de orelha e tapa no focinho dum e doutro, que, de vez em quando, teimavam em retardar o passo. Repentinamente cessava-se o canto. Afrouxavam-se cangas e arreios. Água fresca serviam-se aos viajantes: tanto homem quanto bois mereciam a recompensa, afinal a viagem durara horas, o sol quente, peso pra mais de tonelada, puxões, freadas, solavancos; tudo contribuíra para aumentar ainda mais a sede e o cansaço!
Mas a parada era rápida e também para descarregar no armazém da vila os tambores de querosene de lampião, a madeira do telhado da igreja, que, de tão podre, despencara há meses e os sacos de farinha encomendados para as quermesses das irmãs de caridade do convento de Santa Maria da Aparição, aquele que abrigava moças cabeçudas, arteiras e namoradeiras...
Isso foi um sonho? Talvez para os jovens, que certamente nunca viram um carro de bois, possa parecer que seja. Porém, os mais vividos, principalmente aqueles que nasceram e se criaram nos sertões, carregam em suas memórias essas lembranças nostálgicas de um Brasil arcaico, colonial e provinciano, nada condizente com a velocidade transformativa com que a tecnologia moderna vem impondo ao modus vivendi do brasileiro contemporâneo. 

Todavia, se tudo mudou para melhor, pois, segundo alguns remanescentes mais velhos, hoje tudo é mais fácil com a ajuda da energia elétrica, das comunicações, do automóvel, das comodidades de toda ordem; apesar de que os custos sejam altos e estão sendo cobrados da natureza e até da saúde das pessoas; parece que o governo brasileiro e, quando me refiro à administração pública, estou apontando para ambas as esferas governamentais, na grande maioria das ocasiões, ainda dormita naquele tempo, quando a vida passava no rolar, no passo e no som estriduloso dos saudosos carros de bois
Exemplo mais em voga é o caso da vindoura copa do mundo de 2014. Todos sabemos das metas a que o Brasil se comprometera, a fim de atender aos parâmetros de qualidade exigidos pela FIFA. Mesmo que tais metas custem os olhos da cara de cada brasileiro e o retorno seja incerto, ainda assim o governo fechou todos os contratos e além disso fechou também os olhos deixando que mais de dois anos passassem sem que nada se fizesse. Assim certamente seja mesmo melhor para quem não tem costume nem a intenção de se preocupar com detalhes de orçamentos. Quanto menos tempo melhor para os mãos leves e olhos compridos trabalharem fora de controle.
O Ministro do Esporte Aldo Rebelo, com aquele seu sotaque de cantor de baião desafinado, chegou a se desentender com o representante da FIFA, quando ele, apavorado com o ritmo de carro de bois do governo brasileiro, acertadamente, afirmou que o Brasil precisava de um chute no traseiro. O ministro desafinado se ofendeu, cortou o diálogo, exigiu pedido formal de desculpas e a troca de interlocutor. Infelizmente não perguntou a opinião dos brasileiros, pois se o fizesse, teria ouvido a mesma coisa. Desde a escolha do Brasil para anfitrião dos jogos da Copa de 2014, não há um só brasileiro despreocupado com o andamento quase parado das milhares de providências que não saem do papel, nem do grito dos boiadeiros governamentais.
Agora, que falta pouco mais de um ano para o evento, estamos vendo o que é para ser visto. As arenas estão ficando prontas. A que custo, não interessa saber. Os aeroportos, dizem que ficarão; a que custo, não interessa saber. A tão propalada mobilidade em vias de acesso desentupidas, certamente funcionará, porque, pelo menos em dias de jogos, vão parar escolas, empresas e, se precisar, o Brasil inteiro, para deixar as vias de acesso vazias.
Enfim, o chute no traseiro não foi aceito oficialmente, mas existe e esta funcionando. Em junho de 2014 tudo estará impecável. O Brasil, bem ou mal, mais caro ou muito mais caro, vai cumprir o prometido e o mundo vai invejar nossa capacidade de trabalho e realização em tempo e hora.
Enquanto isso, o resto...nem é bom falar! O boi Brasil deitou e até está dormindo
Quem dera doravante um órgão como a FIFA, talvez com um outro nome: FCQS - FEDERAÇÃO CELESTIAL DE QUERUBINS E SERAFINS - pudesse ter o poder de dar um chute no traseiro, não só do Boi Brasil, mas também nas nádegas de alguns tantos outros Bois Políticos profissionais que democraticamente ganham votos do povo para cumprir bem, com eficiência, responsabilidade e ética suas funções e em vez disso se refestelam nas benesses do poder à custa da miséria do povo e do atraso do Boi Brasil.

ANTONIO KLEBER DOS SANTOS CECILIO