APRESENTAÇÃO


O conjunto de trabalhos que o amigo leitor encontrará adiante foi produzido ao longo de alguns anos. Não posso aqui precisar quantos, talvez uns vinte. A grande maioria deles foi publicada no jornal A TRIBUNA SANJOANENSE, o semanário mais antigo de São João del-Rei, minha terra natal. Obviamente há uma cronologia de publicação associada aos acontecimentos que inspiraram as respectivas produções. Depois de muito pensar, se deveria mencionar datas, resolvi aboli-las, pois achei que correria o risco de tornar seu passeio um tanto dirigido e até cansativo. Posso imaginar alguém lendo algo retratando fato acontecido há anos! Talvez se sinta desmotivado. Então, no intuito de instigá-lo, apresento uma miscelânea de trabalhos recentes e antigos, a fim de lhe subtrair, de propósito, qualquer direcionamento e deixá-lo livre para pensar, buscando no tempo, por si, tal associação. Acredito ainda que dessa forma esteja incitando sua curiosidade à medida que avance páginas adentro. Sua leitura poderá inclusive ter início pelo fim ou pelo meio, que não haverá prejuízo algum para a percepção de que as coisas no Brasil nunca mudam. Ficará fácil constatar que a vontade política é trabalhada para a perpetuação da incompetência administrativa, obviamente frutífera para algumas minorias. Penso que, se me dispus a estas publicações, deva estar antes de tudo, suscetível a criticas e, portanto, nada melhor que deixá-lo, valendo-se unicamente das informações contidas no texto, localizar-se na história. Caso não lhe seja possível, temo que o trabalho perca qualidade perante seu julgamento pessoal. Por conseguinte, acredito que isso não acontecerá; a não ser que não tenha, a seu tempo, tomado conhecimento dos fatos aqui retratados. Procurei selecionar de tudo um pouco; certamente sempre críticas, porém algumas muito sérias carregadas de um claro amargor. Outras, mais suaves, pândegas e até envoltas num humor sarcástico. Noutras retrato problemas da minha São João del-Rei. Até cartas para congressistas em Brasília há. E em alguns pontos, para abusar da sua paciência, introduzi coisas muito particulares. Críticas à parte, nessas, apenas falo de mim, afinal, apesar de amigos, talvez nunca tenhamos trocado impressões sobre coisas tão pessoais. . .
Aqueles que me conhecem há tempos, sabem que sou um obstinado por política, apesar de jamais tê-la exercido diretamente. Motivos houve de sobra e numa oportunidade poderei explaná-los. Todavia, do fundo do coração, afirmo que tal paixão tem como motor um doloroso inconformismo por ver o Brasil tão esplêndido e tão vilipendiado; vítima inconteste dessa cultura avassaladora de demasiada tolerância à antiética imoral na administração pública. Comprovadamente este é o pior dos tsunames com potencial para ter retardado nosso progresso mais de três séculos e grande responsável pela perpetuação da pobreza de metade da nossa população, pelo analfabetismo total e funcional, pela violência social e pelo abismo intransponível que aliena gigantesco contingente, maior que um quinto da população do continente. Diante do inaceitável absurdo, impossível me conformar em silencio diante dos atos e fatos que vão vergonhosamente enxovalhando nossa história e nos deixando como um gigante deitado sobre o escravismo que a Lei Áurea não foi capaz de abolir. O título? Esse, talvez, seja o mais difícil explicar. Gritos sem ecos representam uma espécie de pedido de socorro do náufrago, que sabe que de nada adiantará espernear, pois não há interlocutores, não há socorro, não há saída, não há conscientização; mas, assim mesmo, grita-se.

Será um prazer receber sua visita e ler suas opiniões, elogios ou críticas.

Forte abraço!



sexta-feira, 26 de maio de 2017

HOMENAGEM AOS HERÓIS DA LAVA JATO



HOMENAGEM AOS HERÓIS DA LAVA-JATO

Como sabem há muito, estamos numa torcida silenciosa e sofrida pelo sucesso do vosso trabalho, que será o sucesso do Brasil e a salvação do futuro dos herdeiros da nacionalidade. Pelo amor de Deus, jamais desistam da vossa nobre missão de combater a mentira, o embuste e a cooptação do nosso Brasil ao comunismo sórdido, neste caminho tenebroso engendrado pelo diabólico Foro de São Paulo, onde tudo vale, desde que os bandoleiros do apocalipse atinjam o fim de si assenhorarem das nossas vidas e da nossa liberdade de ser, sonhar e pensar ou de simplesmente termos paz e sermos felizes. Estejam preparados para o bombardeio, pois eles jamais poderiam imaginar que houvesse no universo, alguém capaz de colocar em risco sua sede de viver bem espoliando impiedosamente quaisquer vivente. 

Haverá momentos de desânimo, mas não há vitória sem dor, não há ganho sem luta, jamais haverá justiça se não houver heróis e nunca haverá filhos livres e orgulhosos sem a determinação atávica de defender a verdade. Deus os compensará e a história os louvará. 

Quanto aos idiotas úteis, lembrem-se sempre da derradeira frase da Santa morte de Deus na cruz da insanidade: "ELES NÃO SABEM O QUE FAZEM"

quarta-feira, 24 de maio de 2017

O COMUNISMO DE QUADRILHA

 O COMUNISMO DE QUADRILHA

Tenho ouvido muitos jornalistas dizerem que esta muito difícil trabalhar no Brasil devido à rapidez que os fatos acontecem e logo são substituídos por novos. Concordo, mas penso que o uso da palavra 'fatos' tem o poder de amenizar bastante a profundidade do desastre nacional. Eu prefiro substituir fatos por 'escândalos'.

A mesma situação tenho vivido toda vez que se aproxima a nova edição deste jornal. Como evitar o risco de ser repetitivo abordando fatos que aconteceram hoje, alguns minutos depois foram parar nas redes sociais e amanhã já pertencem à pré-história?

Comprovadamente novidades trazem mudanças e estas nos incomodam, porque pertencem ao mundo do desconhecido e sair da nossa zona de conforto, onde tudo teoricamente já esta sob nosso domínio, nos desagrada e é motivo de revolta e medo.  Por isso a velocidade informativa tem sido objeto de inúmeras teses que atribuem ao fenômeno a culpa pelo elevado número de doenças emocionais ou mesmo físicas, que no momento sacrificam e até matam multidões.

Particularmente penso que os veículos de comunicação modernos são hoje o grande trunfo que temos contra os candidatos a ditadores donos do poder, uma vez que pessoas bem informadas são imunes à mentira e ao embuste. E como não há nada perfeito neste mundo, nos adaptemos, perdoemos as falhas e agradeçamos a  Deus as vantagens de termos nos olhos o mundo imediato e nas mãos os canalhas para serem julgados democraticamente e punidos sob os rigores da lei, se culpa tiverem.

Pois é, diante deste 10 de maio, dia que passará para a história como o primeiro em que um ex-presidente brasileiro assenta-se num banco de réus no país dos confrades e puritanos, vou tentar fazer aqui um congelamento dos fatos para passarmos o bisturi apenas nas lições que devemos observar agora.

Hoje o Brasil assiste a uma guerra entre a Política e a Justiça. Mau sinal para uma uma democracia onde ambas devem caminhar de mãos dadas, desde que com a verdade e para o bem. Lula jura sua inocência, afirma que não comeu do doce enquanto aparece com as mãos meladas. Os idiotas úteis certamente dirão que ninguém come com as mãos, mas a Justiça dirá que são elas que levam as gostosuras da mesa até a boca. Apenas uma coisa é certa neste dia de defesas e acusações: Se um pobre coitado qualquer tivesse roubado um crucifixo de bambu para benzer sua mãe moribunda, estaria na cadeia sem previsão de soltura.

Mas deixando as divagações pra lá, voltemos ao celebre réu deste histórico dia.  Ele é o exemplo vivo do quanto a ambição extremada faz mal aos homens. Um sujeito que teve todas as chances do mundo dos sortudos de tornar-se o salvador da Pátria e figurar nas paginas douradas da história, assentado num banco de réus! Antes de acusar ou absolver Lula, pergunto o que certamente todos devem estar se perguntando: - O Brasil merece isso? Merecemos todos estar no fundo do poço assistindo nossa sociedade se desintegrar diante da falência generalizada da ética e da economia? Diante de um mundo que nos critica e nos classifica como um dos países mais atrapalhados, violentos e corruptos do mundo?

Se Lula for para a cadeia tudo estará resolvido? Espero que cadeia para Lula sirva pelo menos de exemplo; não só para ele, mas também para tantos que trafegam pelo submundo da ambição desenfreada. Contudo, infelizmente, nada estará resolvido, pois, segundo estatísticas nacionais e internacionais o Brasil levará décadas para livrar-se das dividas, do deficit público e da bagunça generalizada em que se encontra, se começar a se reorganizar hoje. Senão continuaremos sem estradas, hospitais, postos de saúde, médicos, escolas, empregos, segurança; prontos para morrer nas esquinas, ruas e avenidas da morte.

Contudo a lição mais importante, talvez seja para os letrados e palhaços mal informados que defendem o Comunismo de Quadrilha com garras e dentes. Estão aí na nossa cara os fatos históricos recentes demonstrando mais uma vez para o Brasil e para o mundo que a "Igualdade Comunista" sempre foi bandeira dos oportunistas e candidatos a ditadores sanguinários. Estão ai nas páginas dos jornais nossos irmãos venezuelanos nadando num banho de sangue só porque precisam de papel higiênico para limpar o traseiro e querem votar em eleições livres e democráticas.

Comunismo nunca deixou de ser uma malfadada história de miséria, opressão antagonismo, mentira, massacre e imbecilização das massas populares. Em lugar nenhum onde prevaleceu deixou de haver elites,  miseráveis, opressão e medo. Aplicar Comunismo para recuperar qualquer sociedade doente é o mesmo que um médico receitar veneno para seu paciente. Estaria o salvando das dificuldades da vida impondo-lhe as delicias da morte.

A estratégia dos pré-candidatos comunistas a donos do poder eterno é a mesma há  mais de um século e estava em curso também aqui no Brasil com Lula e Dilma. Os governantes se unem com os super-ricos e ambos servem-se uns dos outros. Na outra ponta passam melado na boca dos pobres aos pouquinhos, com cuidado, para nunca apagar suas esperanças e sempre mantê-los pobres e ignorantes; afinal precisam de seus preciosos votos. No meio, espremida, fica a classe média convocada a pagar tudo com altas frequentes de impostos, taxas, tarifas, juros, contribuições e falências. Tudo sem nenhum retorno, claro! Afinal a sociedade precisa estar dividida e fraca para ser dominada!

Sociedades democráticas, coesas, fortes e bem informadas não vão na conversa de picaretas; ao contrário os prendem e os põem na cadeia.


ANTÔNIO KLEBER DOS SANTOS CECÍLIO

terça-feira, 23 de maio de 2017

SEGUNDA FEIRA, O DIA DO PESADELO

SEGUNDA FEIRA, O DIA DO PESADELO

Segunda-feira! Antigamente, nos tempos que éramos felizes e não sabíamos, dia da preguiça.

Hoje, que queremos ser felizes, mas os canalhas que nos governam não deixam, dia do pesadelo!

Quais serão as novas e eletrizantes novidades e absurdos da nova semana, que desfilarão à frente dos nossos olhos e paciências cansadas?

Quais serão as desculpas esfarrapadas, que tentarão nos enfiar goela abaixo na certeza de que somos verdadeiros idiotas?

Quantas vezes mais ouviremos as celebres palavras "JAMAIS", "NUNCA", "NÃO SEI", "NUNCA VI", "NÃO PROCEDE", "NAO  ME LEMBRO", "VOU PROCESSAR"?

Quantos novos bilhões saberemos que os ladroes, filhos da pujança desvairada nos roubaram?

Até sexta feira quem sobreviver saberá!

Sobreviva, porque, com certeza estarão torcendo para que todos morramos, a fim de que comam a carniça mal cheirosa a sos, de preferência em Nova York ou, mais modestamente, na latrina brasiliana.

ANTONIO KLEBER DOS SANTOS CECILIO

Publicado no Facebook, no dia 22 de maio, uma segunda feira no auge da Operação Lava Jato, quando todos os anjos do céu brasileiro tinham algo a esconder. No dia seguinte, terça-feria acordamos com a noticia de que 4 anjos foram presos em casa simplesmente pelo super-faturamento de 900 milhões de reais na construção da Arena Mane Garrincha. Foram denunciados por um acordo de delação premiada.

sábado, 20 de maio de 2017

TEORIA DA CONSPIRAÇÃO - SERA POSSIVEL?



TEORIA DA CONSPIRAÇÃO – SERÁ POSSÍVEL?

O famoso ditado popular diz que: - Deus escreve certo por linhas tortas. Considerando-se o antagonismo entre Deus e o diabo, seria correto dizer que: O diabo escreve errado por linhas certas?

Ontem, depois do grande susto e com o coração partido publiquei o desabafo: Muito Obrigado Aécio! Para os que não leram, aquelas foram palavras paridas pela alma, num momento em que tive que me conformar com a realidade difícil de engolir. E para falar a verdade, ainda não engoli e me pergunto; se vale a pena continuar envolvido emocionalmente com algo que aparentemente não tem jeito? Pois é, aí mora o diabo. O mal precisa do silêncio do bem para prevalecer e no xadrez da política leva xeque mate quem se cala ou finge de mudo.

Diante disso convido os amigos a uma reflexão um pouco mais profunda muito útil para o necessário alerta do qual nunca mais poderemos prescindir, se quisermos viver numa nação justa e progressista. Graças a Deus e à democracia temos hoje ao nosso dispor estes canais que nos possibilitam o debate e assim estarmos aptos para fiscalizar os senhores que nos governam, sejam eles suspeitos ou não, pois nunca devemos nos esquecer que o poder corrompe.
           
Considerando-se que sempre depois da tempestade vem o sol, depois da grande decepção sobreveio a felicidade, a sensação do dever comprido, quando passei a receber dezenas de comentários intrigantemente todos afinados com minha opinião sobre o comportamento do nosso senador. Foi a primeira vez que vi amigos afinados com a direita e com a esquerda concordarem unanimemente com algo. Estranho consenso! Mas previsível! Afinal o mesmo punhal não feriu todos, uma vez que há gente que está se deliciando com o desastre de Aécio, por raiva, por desdenho, por radicalismo, por ignorância ou talvez por pensarem que seu pecado será o caminho para o perdão de outros canalhas que ora nos põem também o laço no pescoço.

Assim, diante do drama nacional, conclamo os amigos de ambas as orientações políticas a por hora esquecerem a bipolaridade, o ódio, as mágoas, as discussões infindáveis, no sentido de se lembrarem que neste jogo somos os únicos perdedores, independentemente da bandeira que desfraldamos. Os caras lá de cima estão pouco se lixando pra nós e torcem para que a divisão ideológica seja cada vez mais forte, pois quanto mais se divide, mais se enfraquece. E a sociedade enfraquecida é carne fresca e saborosa.

Sou da opinião de que alguém que apareça sujo de batom tem algo a explicar. Assim penso que Aécio e Temer têm muito a explicar e assim deve ser porque a democracia lhes garante esse direito. Contudo é hora de nós, o povo, abrirmos os olhos para enxergar mais longe, porque atrás dessa montanha pode haver coisas também importantes acontecendo, nem tão invisíveis quanto possam parecer.

Os amigos acham que foi pura coincidência um quarteto de petistas consagrados do calibre do Juiz Edson Fachin, dos mega empresários Batista e do procurador Janot, do nada, saírem por aí de metralhadora nas mãos atirando para todos os lados? Nunca se viu no Brasil algo no âmbito judicial acontecer tão rápido! Deixaram até o cometa de Halley para trás exatamente na hora em que o Brasil começava a acordar da recessão profunda e numa tacada só mataram dois coelhos. Aécio; potencial candidato a Presidente da República e Temer, o cara que ia vagarosamente colocando a máquina enferrujada para funcionar. E pior, eleito por quem agora o combate.

Pois é amigos, impulsionado por tamanha estranheza é que volto a insistir na conclamação a esquecermos as divisões que ora pairam sobre nossas cabeças lembrando que o povo sempre será vítima independentemente da sua paixão política.

ANTÔNIO KLEBER DOS SANTOS CECÍLIO
           




               

sexta-feira, 19 de maio de 2017

OBRIGADO AECIO!

OBRIGADO AÉCIO!

Obrigado pelo tapa na cara que seus amigos, admiradores e eleitores levaram ao tomar conhecimento do seu envolvimento nos tantos absurdos. Além de perplexidade e decepção, o que paira nas nossas mentes agora é a vergonha de encarar todos aqueles que sempre o caluniaram e aos quais sempre contestamos. O que argumentar agora? Diga-nos! Há argumentos? Sinto muito, mas esse tombo deixará feridas eternas na sua imagem e nas nossas inocentes lembranças.

Minas e a nossa venerável São João del-Rei, velhos bastiões em cujos seios nasceram tantos grandes brasileiros esta de luto. De Tiradentes a Tancredo Neves, não há quem na última noite tenha dormido em paz. Tivemos o orgulho mineiro e sanjoanense feridos, nossas bandeiras estão a meio pau e nelas há manchas negras de um luto que jamais nos livraremos. Aliás, para falar a verdade e deixando de lado o bairrismo; ferida mortalmente também foi a confiança de milhões de eleitores Brasil afora, que em você depositaram confiança máxima como candidato a timoneiro dessa pobre nação, que há cinco séculos vem sendo vilipendiada por saqueadores e bandidos de toda ordem.

Enfim, resta-nos a dúvida? A oposição tinha razão, quando garantia que você é um pilantra tão sujo quanto outros que ora esperam sentenças merecidas por terem também traído a confiança de um povo coitado? Infelizmente hoje temos que reconhecer que sim. Tinha razão!

E você, qual sua razão, qual a necessidade de se envolver em conluios de tanta magnitude junto a marginais de tanta safadeza e odiosa cara de pau? Marginais estes que nunca tiveram o progresso do Brasil como meta, pois, afinal, hoje claramente se vê que a principal delas sempre foi criar artimanhas milionárias para submeter a nação a um regime autoritário comunista capaz de saciar suas diabólicas sedes de poder e dinheiro.

Você esta mesmo sem razão! Agora me refiro à razão da consciência, porque pelo jeito ser apenas neto de Tancredo Neves, deputado, governador, senador e presidente não lhe bastasse. Era preciso estar montado numa montanha de ouro, muito maior do que a que seus ancestrais o legaram com trabalho digno e suor.

Veja bem, imagino que esta tenha sido a pior noite da sua vida. Talvez até pior do que quando perdeste seu pai e seus avós. Quanto pagaria para tirar do calendário o atual pesadelo? Quanto pagaria para apagar do seu currículo essa mancha que o acompanhará para o resto da vida e que o envergonhará pesadamente diante dos seus filhos? Quantos milhões vale uma reputação? Quantos milhões  vale uma cabeça erguida carregando consciência tranquila? Eis a pergunta que enseja a boa lição que todos os corruptos traidores precisam aprender.

Sinceramente lhe afirmo: - gostaria de não vê-lo preso. Contudo se assim for por sua própria culpa espero que o castigo seja bem duro para lhe servir de lição, a fim de que você aprenda que o Oficio da Política precisa voltar a ser um trabalho digno, deve deixar de ser um mero teatro de trampolinagens de quadrilhas, de ganhos desproporcionais; tem que deixar de ser a pesada Cruz de um povo que só almeja ser feliz. Afinal, quem paga a conta?

Se você e tantos outros corruptos já presos ou ainda em liberdade não pensaram, espero que o aperto e os desconfortos da cadeia sirvam para lembrá-los que por vossa culpa o Brasil esta em frangalhos, temos milhões de desempregados, nossa produção sem escoamento eficiente, estamos devendo o que não podemos pagar, os pobres cada vez mais pobres, aposentados na miséria, jovens condenados à marginalidade, nossas cidades mergulhadas na violência, nossos hospitais cerrando portas, enquanto milhões de moribundos estão morrendo na contra mão, porque seus políticos só fazem atrapalhar o tráfego.

Meu pêsames amigo!

ANTONIO KLEBER DOS SANTOS CECÍLIO









domingo, 30 de abril de 2017

O CAIXA 3 E O PECADODO DA CARNE


O CAIXA 3 E O PECADO DA CARNE

Tenho um amigo que se mudou para a Austrália há quase 40 anos e ao Brasil poucas vezes retornou, pois além da falta de tempo, da distância e dos altos custos da viagem, inadiáveis compromissos profissionais lhe permitiram vir matar a saudade por apenas 4 vezes durante todo esse tempo. Uma média de 1 visita a cada período de 10 anos. Por lá enraizou-se, naturalizou-se, casou-se; tornou-se pai de 2 australianos e avô de 4.

Nunca perdemos contato mesmo nos difíceis tempos das cartas manuais. Oportunidades que avidamente aproveitávamos para colocar o papo em dia e quando invariavelmente lhe colocava a par das artes dos picaretas nacionais. Ao que ele sempre exclamava: - “Por isso nunca me arrependi de ter deixado o Brasil. Aqui, mesmo como estrangeiro vivo com dignidade, pois sei que, pelo menos, não sou roubado”.

Diferente daqui do Brasil, que sabemos que, pelo menos, somos roubados. Ainda mais agora, depois das lavações que temos assistido nos nossos chiqueiros políticos não sabemos qual o risco maior, se andar numa Avenida do Rio de Janeiro ou votar num carinha com grandes idéias na cabeça, língua afiada e pinta de santo?

Antigamente os bandidos oficiais e até mesmo os pés de chinelo faziam questão de esconder suas ilicitudes. Mas hoje! Esconder prá que, se somos donos dessa Joça? Se podemos mudar e criar leis de última hora, amedrontar os que trabalham sério para dar aos ladrões bacanas seu devido prêmio? Nossa bandalheira tomou caráter tão sério que não sabemos mais o que é pior: fuzis nas mãos de meliantes miseráveis e ignorantes, que quando crianças foram execrados pela sociedade cruel ou canetas nas mãos de políticos ricos e safados?!

Mas, diante de tanto disparate, ultimamente meu amigo australiano tem me dado muita canseira. Devido à diferença do fuso horário, ele me liga nas horas mais estapafúrdias. Outro dia foi às 3 da matina. Sua desculpa foi mais esfarrapada do que as dos nossos políticos: - “Me esqueci que você estava dormindo, jamais lhe telefonei neste horário”. Adorei o“Jamais”, essa santa palavra que de tudo livra nossos políticos.

Contudo, depois de mandá-lo esquiar lá na lama Brasiliense, gostei da idéia que ele me deu: – chegou a hora de criar o Caixa 3 no Brasil. Se caixa 2 deixar de ser picaretagem, só o caixa 3 poderá resolver o problema da malandragem. Aí depois, segundo o jeitinho bandido brasileiro vamos aos caixas 4, 5, 6 ... Tudo para fingirem que tudo esta certo e nos fazer fingir que acreditamos. Nos tornamos a nação dos fingidos. 

Por falar em caixa 3,4,5,6 me veio à lembrança o leão de papel, que so morde em João Ninguém. Aquele da Receita Federal! Será que ele aceitará caixa 3 também para as empresas que trabalham sério, geram empregos, produzem riquezas? Certamente não, pois é fácil urrar para quem não tem mandato, nem foro privilegiado, não é amigo do Rei e não tem dinheiro na caixinha 3 Suíça.

Mas deixando essa história de caixa e leão medroso prá lá, vejamos outro absurdo  brasileiro que encheu os jornais do mundo. O pecado da carne, que lançou o Brasil na lata do lixo da vergonha internacional mais uma vez. Essa matéria fútil, nojenta, rainha dos desejos, da tentação e do pecado. Aliás, não há como falar em carne sem pensar em pecado. 

Impressionante como essa história de carne nos persegue, desde que nascemos e desde que o mundo é mundo. Desejar a carne do próximo é pecado. Desejar qualquer carne mesmo que não seja a do próximo é pecado. Adão e Eva foram expulsos do paraíso por causa da tentação da carne. “O homem só merecerá a salvação se vencer as fraquezas da carne”. A Bíblia fala de “Concupiscências Carnais” ou fortes anseios de fazer algo sem medir conseqüências por puro prazer. O que pode significar que a natureza carnal tem um forte desejo de controlar você, fazer você dar o golpe em alguém, vender lebre por gato cozido, sem papelão, claro. Papelão não faz parte da mistura, isso já foi garantido para quem quiser acreditar. Foram só meia dúzia em milhares...

Em assim sendo, se a malvada da carne tem todo esse poder de tentar qualquer um, desde o matadouro clandestino, que mata vaca velha, magra e com berneira, para encher nossa barriga de pecado de quinta categoria; até um grande frigorífico exportador de boi tratado a Pão de Ló; errados certamente são os fiscais que denunciaram a tentação dos malvados da carne, sua falsidade, sua mentira. Ah, sem esquecer da Policia Federal, esse bando de intrometidos que vive atrapalhando o roubo nosso de cada dia. Abaixo a Polícia Federal! Aliás, abaixo tudo que é Polícia e viva a bandidagem! Afinal, estamos no Brasil! Bandido aqui merece mais que respeito! Merece jatinho, carrão, mansão, jóias, mandato, reeleição, foro privilegiado, aposentadoria especial e tudo mais, desde que pagos com nossa carne de cada dia.

Esperemos que qualquer hora dessas vão culpar os pobres dos bois, frangos e porcos que morreram para nos oferecer sua carne em troca de gordos dólares. Foram capazes de produzir carne ruim, quando nos custaram tanto, quando a eles dedicamos todo nosso carinho e ternura! 

Ah, por falar nessas brasilidades carnais, me veio à lembrança um acontecido que deixou os comedores de churrasquinho de feira de olhos arregalados e estômago embrulhando. Certa feita, a polícia de uma dessas folclóricas e ex-pacatas cidades do interior mineiro recebeu denúncia anônima dando conta de que foram encontrados mais de 100 rabos de cachorro amontoados num terreno baldio. A perícia técnica depois de muitas análises concluiu que teriam sido descartados por um vendedor ambulante, que ali instalara sua barraca dias antes. 

Chamado aos acertos com a polícia o pobre coitado teria declarado sua inocência dizendo que eram de cachorros abandonados, que não tinham dono, não tinham o que comer, não tinham onde cair mortos. Então mereciam ser comidos, porque aquilo que os olhos não vêem o pecado não sente.

Teria sido esse genial cidadão mineiro o inventor da carne fraca? Em se tratando de Brasil nosso querido ambulante e sua grande idéia merecem nossa mais efusiva salva de palmas.

ANTONIO KLEBER DOS SANTOS CECILIO














segunda-feira, 20 de março de 2017

A FESTA DOS ÓRGÃOS E O FORO DESPRIVILEGIADO

A FESTA DOS ÓRGÃOS E O FORO DESPRIVILEGIADO


A  medicina costuma considerar órgãos vitais como nobres. Cérebro, coração, pulmões, rins, fígado fazem parte da lista dos fundamentais à vida. Sem eles nenhum mamífero, ave ou réptil viveria. Contudo, mesmo em condições precárias, é possivel viver sem olhos, ouvidos, mãos ou pés.

Baseado nessa obviedade um desses desocupados de boa imaginação inventou a lenda da festa dos órgãos. Segundo conta-se, marcou-se para data qualquer a festança. Claro, os órgãos nobres, que nem pensavam em se misturar à plebe, ficariam em camarotes especiais onde seriam servidos com pompa.

Apesar dos veementes protestos, passeatas e conturbações, ficou determinado que indivíduos dispensáveis ficariam na segunda classe, onde há menos mordomias, nutrientes e maiores cuidados. Orelhas, mãos, pernas, pés e dedos tinham duas opções: ficar do lado de fora ou aceitar a humilhação. Preferiram participar da festa.

Mas alguém ficara de fora, porque nem mesmo fora convidado. Absurdo incluir indivíduo de tão baixo escalão. Este era o anus. Muita pretenção alguém tão desprezível pensar em  participar de acontecimento tão pomposo.

A festa aconteceu e tudo correu como planejado. Sucesso total! Mas o anus não se contentando com tamanho desprezo tramou dura retaliação. Depois de muito pensar resolveu parar de funcionar e entrou em greve. Alguns dias depois o organismo entrou em colapso e nada funcionava direito. A cabeça doía, o estômago ficou inchado, o coração acelerou, os rins obstruíram-se e uma embolia pulmonar estava prestes a acontecer. Pernas e braços não se aguentavam. Os ouvidos ficaram surdos.

Marcou-se uma reunião de emergência e a conclusão foi unânime: desprivilegiar o anus foi erro fatal. Outra festa fora marcada às pressas, o anus convidado especial e logo tudo voltou a funcionar bem como sempre.

Se o prezado leitor riu, agora vai chorar. Usei essa fábula idiota só para lhe mostrar sua pequena importância. Sem você o Brasil não seria uma nação, a sociedade não existiria, os herdeiros da nacionalidade não nasceriam, não haveria empresas, nem produção, nem progresso. Politicos picaretas seriam ilustres desempregados e, no entanto, seu foro é o do desprezível anus, o desprivilegiado. Você é o dono da festa, nem mesmo o convidam, gozam da sua cara e no final ainda paga a conta.

Vivemos no Brasil a maior inversão de valores da história. Dizem que vivemos numa democracia. Entretanto este sistema ao qual estamos submetidos pode ser tudo, menos  democracia. O espírito democrático preconiza que o poder emane do povo, sirva ao povo e para o povo trabalhe; entretanto o que se oferece ao povo são restos, sofrimento, miséria, humilhação, zombaria, mentiras e ideologias políticas populistas parasitárias e ultrapassadas, que nunca deram certo em lugar algum.

Somos verdadeiramente considerados pelos exploradores de plantão o anus da nacionalidade brasileira. Enquanto nos deixam do lado de fora do salão usurpam a nossa dignidade. Rosnam que nem cães bravios como se nossos donos fossem, enquanto nos acovardamos. Precisamos dar um basta na malandragem de gravata.

É chegada a hora do desprezível anus reagir contra os que querem perseguir todos que trabalhem heroicamente, a fim de eliminar o lixo que contamina o organismo nacional através do desfrute zombeteiro do 'Foro Privilegiado'. Instrumento este mal interpretado e mal aplicado, garantido por Tribunais sobrecarregados, obsoletos, aparelhados e lentos; cuja composição muitas das vezes fazem-se por individuos partidaristas profissionais, treinados nas artes sorrateiras da política baixa, assim confirmando-se a máxima de que Justiça morosa, tendenciosa e de má qualidade não faz justiça e transforma o país numa nova senzala em pleno século XXI.

Por isso não me canso de afirmar:
A culpa das nossas vergonhas não mora lá do outro lado do Equador. Essa é desculpa esfarrapada.

Aí esta a grande tragedia nacional. Não há sequer um anus pensante capaz de acreditar em seus órgãos superiores. A triste realidade já faz parte do nosso folclore e do samba do político picareta. Uma legião de santos do pau oco; impolutos cidadãos da pança cheia de dinheiro e arrogância se acostando nas abas da nossa Corte Máxima, contando com o marasmo, a polêmica, a politização barata e a condescendência benfazejas. Meus pêsames ao povo brasileiro! Vossa Pátria agoniza na poça do vosso sangue inocente.


ANTÔNIO KLEBER DOS SANTOS CECÍLIO.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

O DIVINO E DEPRAVADO BURACO


O DIVINO E DEPRAVADO BURACO

Ha alguns anos o genial cartunista Millôr Fernandes escreveu e publicou uma crônica, não me lembro mais em que veículo, se no Globo ou Jornal do Brasil, a qual criou boa polêmica. Mas deixando de lado o detalhe de menor importância, só sei que a tal rendeu o que falar, tanto pelos moralistas de plantão, quanto pelos anarquistas caras de páu, que só querem ver o circo pegar fogo.

Eu, na qualidade, nem de moralista, nem de anarquista, confesso que gostei muito e até concordei com ele. Aquela crônica não era uma obra de valor literário, nem, muito menos, tratava de alguma novidade, mas guardava um humor sarcástico fatal.

Todavia, nessas alturas do campeonato o paciente leitor deve estar já se perguntando: Sarcasmo contra quem? No intuito de não abusar demais da paciência de ninguém vou logo dizendo que ele ironizava a vida e o título escolhido demonstrava bem isso: "O direito ao Fôda-se!" era o título. Estranho, mas profundo. Vamos aos fatos!

O autor já naqueles tempos, indignado com os desafios, aborrecimentos, perdas e decepções que a vida nacional nos impõe e vai minando o sistema nervoso ao ponto de provocar indesejáveis infartos e úlceras, considerava o "Fôda-se" um santo remédio para os nervos. Ficou desempregado? Fôda-se! Foi assaltado? Fôda-se! Foi multado sem culpa nenhuma? Fôda-se! Foi abandonado? Fôda-se! Tomou páu no fim do ano? Fôda-se! Um político cara de páu foi cassado? Fôda-se, bem feito! Votou no PT? Fôda-se! E logo vem aquele alivio! Aquela sensação de dever cumprido e até um certo prazer de poder desdenhar do azar.

Aposto que o amigo leitor concordou! Quantos "Fôda-se" um bom brasileiro fala por dia? Certo desocupado já calculou. No mínimo 150, sem contar os anuais. Quando o filho toma bomba ou quando vence o IPTU e o dinheiro está curto o "Fôda-se" logo vem curar tudo.

Seguindo os passos do Millôr achei que o momento é propício para tratarmos desse assunto da mais alta importancia: o "Buraco". O leitor já pensou quanta influência tem os buracos em sua vida? Tem buraco pra tudo. Buraco bom e buraco ruim. Mas que tem tem e ninguém é capaz de negar.

Tem buraco grande, pequeno, quente, úmido, escuro, fundo, raso, redondo, quadrado e sem fundo. Quem já  parou para contar quantos buracos tem seu corpo? Ja pensou o que seria se não fossem esses divinos buracos? Buraco é um negócio tão importante que se não fossem eles ninguém respirava, comia, cheirava, defecava, ouvia e nem mesmo nascia.

Buraco pode ter vários nomes. Aqueles que varam montanhas são túneis e aqueles que rasgam o subsolo, metrôs. Nomes chiques e difíceis, mas que é buraco é e o que seria do trânsito engarrafado se nao fossem eles?

Nessa pindaíba em que anda o Brasil a primeira coisa que lembramos de dizer é que estamos no buraco ou até que o Brasil já é um buraco. Já pensaram que até economia tem buraco? O PT recebeu autorização do Congresso Nacional para fechar as contas do ano de 2016 num buraco de 170 bilhoes. Quem fez essa arte ninguém até hoje ficou sabendo. O PT disse que não estava lá, pois eu ou o pacato leitor é que ao certo estávamos. E quem vai tampá-lo, mais cedo ou mais tarde, pode-se imaginar. Farão um buraco no nosso orcamento.

Buraco cabe tudo. Cabe país, Estado, Município, Cidade. O Rio de Janeiro esta num buraco tão grande que até poderia se chamar Rio do Buraco. E Minas dizem que já esta no buraco também e que há alguns politicos comunistas que andam de helicóptero capitalista e que também vão parar no mesmo buraco do Sergio Cabral.

Lugar perigoso é buraco de Tatu, porque cobra num pode ver buraco que logo quer entrar. Se um descuidado bota a mão no seu buraco, aliás no do Tatu, ai dizem que botou a mão na cumbuca, porque cascavel nao perdoa mão no buraco.

Tem mecânico que adora buraco e teve um que outro dia me disse que se não fossem os buracos desde Brasil esburacado sua oficina já tinha ido para o buraco há muito tempo.

Mas, se há gente que gosta muito de buraco é político. O nobre leitor já observou o quanto buracos são importantes na vida desses nossos heróis salvadores da Pátria? O que seria deles sem buracos? Quando em campanha prometem acabar com o buraco do adversário. E até xingam o buraco do coitado e depois que ganham nossos votos se justificam que não podem fazer nada, porque o orçamento esta no buraco deixado pelo outro. Contudo não conheço ao menos um que tenha acabado com buraco algum. Todos eles só sabem aumentar os buracos, na quantidade e na qualidade.

Outro dia um grande amigo  quebrou o carro num buracão. Quase morreu e matou toda a família. Revoltado reclamou com o cabo da Polícia de Trânsito que se soubesse que ia quebrar o carro não teria pago seu IPVA. Ai, o policial, mais do que depressa, respondeu que, se tivesse feito isso levaria seu carro quebrado para o Buraco do Governador lá onde fica o buraco do Detran.

O Buraco do Governador já teve rebelião, ja foi incendiado, explodido e até arrombado. E agora os presos querem outro buraco mais confortável com TV, frigobar, ducha, piscina aquecida, ar condicionado, geladeira frostfree e visita íntima 24 horas por dia com cervejinha gelada e tudo. Afinal de contas, no Buraco do Brasil, preso deve ser bem tratado e quem deve ficar no buraco bem fundo são as crianças no buraco da escola com professor no buraco da vida.

Mas, para terminar, não poderia deixar de contar uma última peripécia dos nossos buraqueiros. Semana passada numa estrada havia um batalhão de homens tampando buracos. Enquanto um trabalhava, outros olhavam! Mas observei que não tampavam todos e deixavam alguns. Então, curioso perguntei:
Porque os senhores não tampam todos?                                                                            
Porque, se tamparmos todos, ano que vem não haverá nada para tampar e nosso bolso que já é um buraco vazio como vai ficar?
Aí percebi que no país dos buracos o pior buraco é a cabeça vazia.
Millôr tinha ou não razão? Fôdam-se! Assim nossos nervos estão salvos.

ANTÔNIO KLEBER DOS SANTOS CECILIO

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

QUEM NÃO TEM CÃO CAÇA COM MICHEL TEMER


QUEM NÃO TEM CÃO CAÇA COM MICHEL TEMER

Nos 127 anos de República, o Brasil teve trinta e sete presidentes. Desses, sete foram vices que assumiram a Presidência por impedimento do titular. Mas o caso mais emblemático é o caso de Michel Temer, o vice de Dilma Roussef. 
O vice-presidente tem poucos poderes e funções explícitas pela nossa Constituição. Sua função primária é suceder ao presidente caso ele morra, renuncie, ou seja, afastado judicialmente. 
Se aplicarmos aquela velha e simples continha de dividir, concluiremos que em 127 anos de Presidencialismo Republicano o Brasil teve um vice a cada dezoito anos. Os Estados Unidos, o maior e mais estável pais democrático do mundo e onde o presidencialismo viceja forte tem dados quase parecidos com os nossos. Já teve nove vices promovidos a presidente, apesar do presidencialismo por lá ter sido implantado um século antes; em abril de 1789. Um vice a cada vinte e cinco anos. 

Pelo mundo afora a história demonstra que os reveses do destino, vez por outra, acendem os vices ao posto máximo. Forte lembrete aos eleitores que o vice um dia poderá  valer mais do que pesa, portanto esteja de olho no seu histórico de vida.
E seria muito bom se também nossos queridos políticos e seus partidos também nunca se esquecessem disso e parassem de encaixar personagens rocambolescos só para colorir a chapa e passar ao eleitor impressões falsas de que o vice terá importância maior na administração do que a de ficar de boca fechada e, de preferência, longe do palácio.
Certa vez ouvi uma piada, na qual o contista zombeteava de Marco Maciel, o vice de Fernando Henrique. E ele com aquela sua cara característica bem enquadrada pela câmera perguntava: - Para que serve o vice? Pergunta que ele mesmo respondia: - Para nada! 
Longe de mim querer ofender os vices, mas a verdade é que fomos orientados para enxergar nossos vices como bonecos sem expressão, sem atitude e utilidade nenhuma. Uma espécie daquele João Bobo cheio de ar, que fica ao lado da vitrine sorrindo e abanando os braços apenas para chamar atenção aos atrativos mais importantes. Os próprios mandatários, apesar de negarem, também pensam assim. 
Contudo, se vice é ou não um azarão é melhor tomar cuidado. Se você esta no poder deixe de fumar, de beber, coma só carne branca, durma cedo, ria muito, não esquente tanto sua cabeça com bobagens, não pratique esportes radicais, faça um check-up por semana, cumpra direito sua obrigação assumida com os eleitores, porque seu vice esta lá a postos esperando seu santo escorregão, a fim de tascar seu poder. 
Nunca se esqueça que a historia é tinhosa e gosta de dar lições nos incautos. Pena que nela prestamos pouca atenção. Lula, por exemplo, se esqueceu disso e ao apontar sua querida Dilma Roussef para o cargo máximo aceitou Michel Temer para compor a Super e invencível Chapa Petista. Afinal precisava de um Coxinha Mudo, para passar para os outros Coxinhas e também para a militância comunista a impressão de que teríamos um governo consensual colorido de verde, amarelo e vermelho. Entretanto, todos sabem que a verdade era outra bem diferente da que a história ensina. O que ele precisava sim era das benesses do grande aliado PMDB e assim o fez encaixando o nome do seu maior cacique. Não sabia que estava armando sua velha espingarda enferrujada para dar um tiro certeiro no próprio pé. 
Fora Temer uma ova! Temer tem que ficar até o final, pois ele é o osso duro de roer para quebrar os dentes do PT. Foi o que sobrou de útil da carnificina feita contra o Brasil e seus pobres eleitores pagadores de impostos. Ele é o efeito colateral da malandragem política que reina no Brasil ha séculos, para ensinar aos políticos safados que com coisa seria não se deve brincar. 
Temer agora é o “Coxinha dos Coxinhas”. Nosso osso duro mais saboroso! A tábua da beirada. O fio de salvação que Deus deu para nos salvar dos comunistas incompetentes e seu naufrágio fatal e total. 
Temer, o Mauricinho Bonitinho, nascido em berço de ouro, mudo da confiança de Lula e Dilma, formou-se na São Francisco, a escola da elite branca. Criminalista renomado, ex-promotor de justiça com aquela sua cara de plástico derretido enxerga longe. Aceitou ser Pau Mandado, quando era hora. Ficou de bico fechado, quando era hora. Falou, quando era hora e pulou fora do barco furado, quando era hora. E agora, pelo que parece, vem dando demonstração de estar disposto a colocar o Trem Bala Chita do Brasil de volta nos trilhos. 
Temer é o cara, certamente diria o Santo Capitalista Barak Obama! Se ele não disser, diremos nós coxinhas e até a turma da Bolsa Família, que teve 11% de aumento na hora da maior crise da nossa historia triste. Afinal acabou com milhares de falsos bolsistas bandidos fazendo sobrar dinheiro para quem realmente precisa. Sem esquecer, é claro, da ajudinha ao Funcionalismo Público Federal no dia da chegada do Papai Noel. Se o caro leitor não sabia, fique sabendo. Mandou molhar a mão da Turma Federal com um substancial aumento. Sem esquecer, claro, dos milicos que ficarão fora da Reforma da Previdência. Previdência de Milico nao quebra! Temer sabe o que faz. Calou a boca da moçada. O PT dançou o samba do Branco Doido mais uma vez, porque falar o contrário pode dar BO.
Ele é o melhor que temos no momento; não há outro para o seu lugar. Rezemos para que ele viva ate outubro de 2017, senão, do contrário, teremos que engolir o gordinho branquelo mais sexy do Congresso. 
Não esta aqui quem falou; você leitor calculista é quem esta pensando mal como sempre.
Por favor, destino!... Fica Temer, porque estamos quase gozando de tanto rir.

E a história até nos deu outro “Dia do Fico”! Danada essa tal de História!



ANTONIO KLEBER DOS SANTOS CECILIO.