APRESENTAÇÃO


O conjunto de trabalhos que o amigo leitor encontrará aqui foi produzido ao longo de alguns anos. Não posso aqui precisar quantos, talvez uns vinte. A grande maioria deles publicada no jornal A TRIBUNA SANJOANENSE de SÃO JOÃO DEL REI (minha terra nanal) e NOVA MIDIA de BARBACENA; ambas tradicionais cidades históricas mineiras muito politizadas.

Obviamente há uma cronologia de publicação associada aos acontecimentos que inspiraram as respectivas reflexões. Depois de muito pensar, se deveria mencionar datas, resolvi aboli-las, pois achei que correria o risco de tornar seu passeio um tanto dirigido e até cansativo. Posso imaginar alguém lendo algo retratando fato acontecido há anos! Talvez se sinta entediado. Então, no intuito de instigá-lo, apresento uma miscelânea de trabalhos recentes e antigos, a fim de lhe subtrair, de propósito, qualquer direcionamento e deixá-lo livre para pensar, buscando no tempo, por si, tal associação. Acredito ainda que dessa forma esteja incitando sua curiosidade à medida que avance passos adentro. Sua leitura poderá inclusive ter início pelo fim ou pelo meio, que não haverá prejuízo algum para a percepção de que as coisas no Brasil nunca mudam. Ficará fácil constatar que a vontade política é trabalhada para a perpetuação da incompetência administrativa, obviamente frutífera para algumas minorias.

Penso que, se me dispus a estas publicações, deva estar antes de tudo, suscetível a criticas e, portanto, nada melhor que deixá-lo, valendo-se unicamente das informações contidas no texto, localizar-se na história. Caso não lhe seja possível, temo que o trabalho perca qualidade perante seu julgamento pessoal. Por conseguinte, acredito que isso não acontecerá; a não ser que o leitor não tenha, em tempo, tomado conhecimento dos fatos aqui retratados. Procurei selecionar de tudo um pouco; certamente sempre críticas, porém algumas muito sérias carregadas de um claro amargor. Outras, mais suaves, pândegas e até envoltas num humor sarcástico. Noutras retrato problemas da minha São João del-Rei. Até cartas para congressistas em Brasília há. E em alguns pontos, para abusar da sua paciência, introduzi coisas muito particulares. Críticas à parte, nessas, apenas falo de mim, afinal, apesar de amigos, talvez nunca tenhamos trocado impressões sobre coisas tão pessoais. . .

Aqueles que me conhecem há tempos, sabem que sou um obstinado por política, apesar de jamais tê-la exercido diretamente. Motivos houve de sobra e numa oportunidade poderei explaná-los. Todavia, do fundo do coração, afirmo que tal paixão tem como motor um doloroso inconformismo por ver o Brasil tão esplêndido e tão vilipendiado; vítima inconteste dessa cultura avassaladora de demasiada tolerância à antiética e à imoralidade na administração pública. Comprovadamente este é o pior dos tsunames com potencial para ter retardado nosso progresso mais de três séculos e grande responsável pela perpetuação da pobreza de metade da nossa população, pelo analfabetismo total e funcional, pela violência social e pelo abismo intransponível que aliena gigantesco contingente, maior que um quinto da população do continente sul americano. Diante do inaceitável absurdo, impossível me conformar em silencio diante dos atos e fatos que vão vergonhosamente enxovalhando nossa história e nos deixando como um gigante deitado sobre o escravismo que a Lei Áurea não foi capaz de abolir.

O título? Esse, talvez, seja o mais difícil explicar. GRITOS SEM ECOS representa uma espécie de pedido de socorro do náufrago, que sabe que de nada adiantará espernear, pois não há interlocutores, não há socorro, não há saída, não há conscientização; mas, assim mesmo, grita.

Será um prazer receber sua visita e ler suas opiniões, elogios ou críticas.

Forte abraço!



quarta-feira, 1 de abril de 2015

TEM CASCAVEL NESSE MATO

 TEM CASCAVEL NESSE MATO

Estamos vendo todos os dias nos jornais noticias sobre a tal Reforma Política.

Portanto, na intenção de clarear o que esta por trás das cortinas, resolvi tratar do tema, a fim de melhor esclarecer aos amigos do que se trata, porque estando todos bem informados, através do compartilhamento na rede, será mais difícil os governantes nos fazer de gado sendo conduzido para o matadouro sem saber de nada e de cabecinha baixa.

Antes, quero ainda lembrar que por parte dos políticos, de qualquer partido, não há intenção nenhuma de fazer reforma alguma, porque a situação do jeito que esta é muito boa para eles. O caminhão deles está carregado de desvantagens é contra o povo!

Ademais, não posso esquecer de chamar atenção para mais um detalhe:
Prestem atenção que toda vez que o povo vai às ruas protestar contra a corrupção ou contra o sofrimento do dia a dia, eles se lembram da reforma, para acalmar os ânimos. Em 2013, se lembraram e depois esqueceram, quando o povo se acalmou. Agora será a mesma coisa. Assim que o povo sair das ruas, voltarão a esquecer.

O risco que nossa democracia corre é grande, porque a cascavel no mato é brava e venenosa e pode nos roubar a liberdade. O mesmo golpe já foi aplicado em outros países. O melhor e mais recente exemplo é a Venezuela, que se transformou num país comunista e miserável.

Vamos à explicação:

Existem alguns tipos de democracia, mas as mais importantes e mais usadas são:
DEMOCRACIA REPRESENTATIVA e a DEMOCRACIA PARTICIPATIVA.

No Brasil e na maioria dos países democráticos vigora a “Democracia Representativa.”
Representativa, porque vem do verbo “representar”. O povo vota em eleições diretas a cada quatro anos para eleger seus representantes no Congresso Federal, nas Câmaras Estaduais e nas Câmaras de Vereadores. A partir daí cabe aos representantes do povo fazer as leis e fiscalizar o Poder Executivo representado pelo: – PRESIDENTE – GOVERNADOR – PREFEITO.
Ao povo cabe fiscalizar todos eles, porque o povo é o dono do país.
 Agora ficou mais fácil, porque temos as potentes ferramentas chamadas INTERNET E REDES SOCIAIS.
Por isso, quanto mais safados forem os políticos, mais temem um povo conectado!

A DEMOCRACIA PARTICIPATIVA origina-se do verbo “participar”.
Nela o povo é chamado para dar opinião sobre assuntos de interesse popular.
Na antiguidade muitas pessoas se reunião numa praça ou numa arena de gladiadores e levantavam e baixavam as mãos, se contra ou a favor; como se faz hoje numa sala de aulas.

Com o crescimento das populações ficou impossível fazer isso, então a solução foi nomear um grupo de líderes populares, para levantar ou baixar as mãos no lugar do povo.
Vê-se que nessa hora a DEMOCRACIA REPRESENTATIVA foi inventada.
Numa cidade como São Paulo, como reunir milhões de pessoas num só lugar para opinar?

Por isso, a Reforma Política que estão querendo fazer hoje tem coisas boas, mas também tem um ninho da cascavel escondido. O governo federal quer criar no Brasil a DEMOCRACIA PARTICIPATIVA, como maneira de tirar poder do Congresso Nacional e o povo poder opinar diretamente nas decisões importantes.
Isso pode ser feito através de plebiscito, pela internet, pelos Correios, etc...
Você acha que isso daria certo? Imagine quantas vezes por ano haveria consultas populares e quanto custaria isso para o povo em dinheiro e em burocracia?

Mas o governo finge não saber de nada disso e quer porque quer.
Vende a idéia de que assim o povo seria mais valorizado.

Contudo, a verdadeira intenção dos governantes é escolher para as Câmaras de Votação somente cidadãos filiados aos partidos que apoiem o governo. Assim, nenhum cidadão da oposição seria convocado para votar e a opinião da maioria nunca seria considerada.
Sociedades onde não existe oposição não são sociedades democráticas nem aqui nem em lugar nenhum. A democracia é a arte do debate entre opositores onde vence a maioria.

Esse tipo de Democracia Participativa Furada é na verdade um caminho para uma ditadura.
Como o tempo a cascavel da cria e vira uma DITADURA COMUNISTA.

A história conta que na China, na extinta União Soviética e em Cuba comunistas havia e ainda há os “politiburos” o mesmo que as Câmaras Populares que o governo brasileiro quer criar.
E acima dos politiburos há o Presidium que significa presidência.
Na antiga União Soviética o Presídium era conhecido como “Soviete Supremo”
Tudo composto pelos amigos dos ditadores.

Não havia oposição e quem abrisse a boca era fuzilado.
Se duvida consulte a história desses países.
João Paulo II, o maior papa da história de Igreja, nasceu e cresceu na Polônia Comunista e sempre foi contra essas ditaduras porque conhecia quanto sofrimento causam ao povo, que continuava pobre e sem liberdade.

Quem quer isso para o Brasil levante a mão!

Não se esqueçam que a DEMOCRACIA REPRESENTATIVA tem muitos defeitos, muitos por culpa do povo que vota mal e não fiscaliza, mas ainda não inventaram nada melhor.

Fora disso quem se dá bem são os eternos comandantes...

Não faça do seu voto uma arma, a vítima pode ser você!