APRESENTAÇÃO


O conjunto de trabalhos que o amigo leitor encontrará adiante foi produzido ao longo de alguns anos. Não posso aqui precisar quantos, talvez uns vinte. A grande maioria deles foi publicada no jornal A TRIBUNA SANJOANENSE, o semanário mais antigo de São João del-Rei, minha terra natal. Obviamente há uma cronologia de publicação associada aos acontecimentos que inspiraram as respectivas produções. Depois de muito pensar, se deveria mencionar datas, resolvi aboli-las, pois achei que correria o risco de tornar seu passeio um tanto dirigido e até cansativo. Posso imaginar alguém lendo algo retratando fato acontecido há anos! Talvez se sinta desmotivado. Então, no intuito de instigá-lo, apresento uma miscelânea de trabalhos recentes e antigos, a fim de lhe subtrair, de propósito, qualquer direcionamento e deixá-lo livre para pensar, buscando no tempo, por si, tal associação. Acredito ainda que dessa forma esteja incitando sua curiosidade à medida que avance páginas adentro. Sua leitura poderá inclusive ter início pelo fim ou pelo meio, que não haverá prejuízo algum para a percepção de que as coisas no Brasil nunca mudam. Ficará fácil constatar que a vontade política é trabalhada para a perpetuação da incompetência administrativa, obviamente frutífera para algumas minorias. Penso que, se me dispus a estas publicações, deva estar antes de tudo, suscetível a criticas e, portanto, nada melhor que deixá-lo, valendo-se unicamente das informações contidas no texto, localizar-se na história. Caso não lhe seja possível, temo que o trabalho perca qualidade perante seu julgamento pessoal. Por conseguinte, acredito que isso não acontecerá; a não ser que não tenha, a seu tempo, tomado conhecimento dos fatos aqui retratados. Procurei selecionar de tudo um pouco; certamente sempre críticas, porém algumas muito sérias carregadas de um claro amargor. Outras, mais suaves, pândegas e até envoltas num humor sarcástico. Noutras retrato problemas da minha São João del-Rei. Até cartas para congressistas em Brasília há. E em alguns pontos, para abusar da sua paciência, introduzi coisas muito particulares. Críticas à parte, nessas, apenas falo de mim, afinal, apesar de amigos, talvez nunca tenhamos trocado impressões sobre coisas tão pessoais. . .
Aqueles que me conhecem há tempos, sabem que sou um obstinado por política, apesar de jamais tê-la exercido diretamente. Motivos houve de sobra e numa oportunidade poderei explaná-los. Todavia, do fundo do coração, afirmo que tal paixão tem como motor um doloroso inconformismo por ver o Brasil tão esplêndido e tão vilipendiado; vítima inconteste dessa cultura avassaladora de demasiada tolerância à antiética imoral na administração pública. Comprovadamente este é o pior dos tsunames com potencial para ter retardado nosso progresso mais de três séculos e grande responsável pela perpetuação da pobreza de metade da nossa população, pelo analfabetismo total e funcional, pela violência social e pelo abismo intransponível que aliena gigantesco contingente, maior que um quinto da população do continente. Diante do inaceitável absurdo, impossível me conformar em silencio diante dos atos e fatos que vão vergonhosamente enxovalhando nossa história e nos deixando como um gigante deitado sobre o escravismo que a Lei Áurea não foi capaz de abolir. O título? Esse, talvez, seja o mais difícil explicar. Gritos sem ecos representam uma espécie de pedido de socorro do náufrago, que sabe que de nada adiantará espernear, pois não há interlocutores, não há socorro, não há saída, não há conscientização; mas, assim mesmo, grita-se.

Será um prazer receber sua visita e ler suas opiniões, elogios ou críticas.

Forte abraço!



domingo, 14 de agosto de 2011

DIOCESE NO MUNDO MODERNO

            Nos dias de hoje, se tornou lugar comum a justificativa de que não se tem mais tempo. Tempo; essa matéria prima da qual tanto dependemos; nosso mais valioso bem não renovável, absurdamente vem, a cada dia mais, se perdendo pelo ralo da correria com tantos afazeres característicos da vida moderna!
            A dinâmica natural da vida acelerou-se absurdamente com o alto fluxo de informações proporcionado pelas novas tecnologias e isso transformou o homem/mulher contemporâneo numa máquina movida a competição. O “ser” perdeu valor em favor do “ter”. Vale mais quem tem mais e aí nos desumanizamos drasticamente. Precisamos correr para ir à ginástica e ter o corpo mais sarado, correr para não perder o inédito capítulo da novela no televisor HD de última geração, nem o jornal com as últimas notícias da corrupção e da violência social.  Correr para pagar a prestação do carro automático equipado com computador de bordo. Correr para planejar as férias das crianças à Disney.  Correr para ir ao médico tratar da depressão e da hiper-tensão, que ultimamente se tornaram crônicas devido às altas pressões e à frustração por não ter ainda mais tempo para perder com mais e mais conquistas materiais. Um contra-senso, pois, se hoje dispõe-se de parafernálias tecnológicas mais eficientes, era de se esperar que sobrasse mais tempo para o “ser” humano que existe em cada um. Entretanto, o que se espera para o futuro é um aprofundamento ainda maior da escravização ao estado do “ter”, uma vez que as minorias dominantes detentoras dos meios de produção e controladoras da grande mídia mantêm-se atentas na criação de novos valores e novos meios de satisfazê-los, introduzindo o modismo tecnológico embarcado na rápida obsoletização como motor necessário à crescente e lucrativa valorização  do “ter”. 
            Diante dessa corrida colossal vem a clássica pergunta: - o que se pode fazer; como reagir se estamos introduzidos até o pescoço ao culto do ter?
Antes de tudo é necessário libertar-se do comodismo, livrar-se do efeito manada que induz todos a fazer tudo igualzinho, sem questionamento. Pare, olhe, escute, observe; procure outros valores ao derredor e certamente encontrará uma instituição séria, comprometida com o bem estar e o desenvolvimento do seu “ser”. Ela é a Igreja Católica e esta representada em sua cidade ou região por uma Diocese, liderada pelo bispo diocesano e composta por algumas dezenas de veneráveis paróquias e seus respectivos vigários, mantenedoras de incontáveis obras sociais junto a comunidades carentes; enfrentando de peito aberto o sofrimento de pessoas desassistidas pelo estado, na maioria das vezes ausente em seus compromissos constitucionais. As Dioceses e seus párocos auxiliados por um batalhão de voluntários, atuam ainda levando alento e paz espiritual aos doentes e desesperançosos, conhecimentos de valores intrínsecos relativos a Deus, à ética na convivência, ao amor ao próximo, à conduta cristã através do catecismo ministrado a centenas de milhares de jovens ainda impúberes desenvolvendo em suas cabeças o equilíbrio e a conscientização necessários para o enfrentamento dos falsos valores do “ter” a qualquer custo; capacitando-os pelo menos a deixarem de ser vítimas mansas, irracionais sem reação, incapazes de separar o joio do trigo.
            A Diocese tem origem histórica no Direito Romano, para designar o território e a jurisdição de uma cidade. Sua importância histórica, acima de tudo demonstra com mais força sua importância aglutinadora como fator de integração territorial e cultural num dos mais importantes, longevos e influentes impérios da antiguidade, o Império Romano. A Igreja Católica, na sua condição de legado histórico, cultural e religioso daquele importante império, cedo percebeu que para se impor como representante primaz do cristianismo através dos séculos precisava também se estruturar fortemente, mas, sobretudo de maneira ágil e flexível e então, lançando mão do mesmo recurso, se subdividiu em Dioceses, transformando-se num corpo uno, com linhas de comunicação eficientes entre o Papa e as mais remotas regiões da terra.
            Sua Diocese, portanto é a cabeça e os olhos do Papa, representante máximo do Cristo entre os homens de boa vontade. Vá até ela, valha-se do seu acolhimento, conheça sua messe. Através das ferramentas materiais e espirituais fornecidas por ela, vacine-se contra o imperialismo dos modismos materialistas e permita que o “ser” existente em você sobrepuje seus “teres”; assim certamente terá mais tempo, menos stress, mais saúde mental, corporal e paz de espírito.



/././././././././././